LuzCont

Contabilidade para comércio varejista

Diferente do que muitos empresários pensam, a contabilidade para comércio varejista não é apenas burocracia e muito menos um luxo, é uma necessidade para o empreendimento.

Alguns pensam que controlar as compras e vendas é o essencial para tudo estar sob controle. No entanto, é necessário ter grande conhecimento sobre o ramo e tributações, já que este apresenta muitas variáveis.

É essencial contar com o serviço de contabilidade para comércio para que haja controle minucioso e não haja redução na margem de lucro do empreendedor.

Caso queira falar direto com nossos especialistas, basta clicar no botão abaixo:

   

 

Para saber mais sobre como funciona a contabilidade para comércio varejista basta continuar a leitura!

Contabilidade para comércio varejista

O comércio varejista é um dos setores da economia que mais gera empregos formais e, além disso, o segmento concentra um grande número de micro e pequenas empresas.

O setor inclui diversos empreendimentos, entre eles:

  • comercio de roupas;
  • Lojas de móveis;
  • Lojas de materiais de construção;
  • Hipermercados;
  • Entre outros.

Esses comércios são extremamente ligados a compra e venda. No entanto, não é só isso, há quadro de funcionários, tributações e uma série de burocracias para que a empresa fique em dia com as suas obrigações fiscais e permaneça aberta.

Por isso, somente a orientação e assessoria de uma contabilidade para comércio varejista pode fazer com que o comércio esteja em perfeito funcionamento e com as obrigações fiscais em dia.

A importância da contabilidade nesse setor

A contabilidade para comércio varejista tem papel fundamental para auxiliar o empresário. Ela pode ajudar na escrituração e apuração de resultados, realizar balanço patrimonial e até mesmo fazer uma avaliação de enquadramento tributário.

A contabilidade é capaz também de trabalhar lado a lado com o gestor, de modo que a assessoria ficará responsável por garantir que o controle de estoque e inventário seja feito com excelência, evitando possíveis erros e garantindo que tudo esteja sob controle.

Além disso, a contabilidade realiza o cálculo de custo de armazenagem e distribuição, que ajudará o empresário a planejar de maneira estratégica as compras e também a controlar o fluxo de caixa.

Com a coleta de informações e dados que são realizadas pela contabilidade são gerados relatórios com resultados importantes. Esses relatórios são imprescindíveis para auxiliar o empresário na tomada de decisão.

Neste ponto, a contabilidade para comércio varejista também fica responsável por analisar e assessorar a gestão sobre quais decisões são as melhores para serem tomadas para o comércio.

Impostos no comércio

Quando pensamos em comércio varejista o tributo que geralmente nos ocorre é o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

No entanto, este não o único tipo de imposto recolhido por tais estabelecimentos. Assim como empresas de outros setores, os varejistas também precisam arcar com outros impostos como IRPJ, PIS/Cofins, INSS Patronal, entre outras tributações praticadas em todos os estabelecimentos comerciais.

O que muda entre os comércios varejistas é o cálculo e a forma de recolhimento desses impostos. Já que o que define a tributação é o regime tributário que foi escolhido pelo empresário na hora da abertura da empresa.

Simples Nacional

O Regime tributário do Simples nacional é o mais utilizado por micro e pequenas empresas, inclusive no comércio. A principal vantagem do Simples Nacional é o pagamento de diversos impostos em uma única guia de recolhimento.

Com isso, o cumprimento das obrigações fiscais fica muito mais prático e fácil, garantindo que tudo fique em dia.

No Simples Nacional o varejista pagará uma alíquota única, calculada de acordo com a sua porcentagem de faturamento. Logo, à medida que o faturamento aumenta, o imposto a ser recolhido também.

O valor estabelecido começa em 4% sem valor a deduzir — para estabelecimentos que faturam até R$180 mil no ano. O máximo é 19% com dedução de R$378 mil — para estabelecimentos que faturam de 3,6 milhões a 4,8 milhões anualmente.

Vale ressaltar que a alíquota incide sobre o faturamento do comércio, e não sobre o lucro. Logo, o cálculo é feito sobre todas as receitas do negócio, sem subtrair os custos operacionais.

Tributação em outros regimes

Como a alíquota do Simples Nacional sobe de acordo com o faturamento, há situações nas quais ele acaba prejudicando o estabelecimento. Nesses casos, migrar para outro regime tributário acaba se tornando a melhor opção.

Para micro e pequenas empresas, a escolha costuma ser pelo regime tributário do lucro presumido. Como o próprio nome já diz, neste regime, o IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica) e a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) são calculados baseados no lucro conforme o setor, não conforme o lucro real.

Na prática, isso significa que se a margem de lucro for superior à da tabela, isso será mais vantajoso financeiramente para o empresário. No entanto, o pagamento de impostos é mais complexo do que no Simples Nacional.

Como a tabela do LP não especifica uma taxa para o comércio varejista, a apuração do lucro para o cálculo do IRPJ para as empresas do setor é feita conforme a regra geral que presume a base de cálculo do imposto — ou seja, 8% do faturamento e sobre essa base incide uma alíquota de 15% de IRPJ.

O mesmo acontece com a CSLL, com uma taxa presumida de 12%. E com essa base de cálculo calcula-se o imposto da CSLL aplicando uma alíquota de 9%, é um tanto complexo, porém o Contador é o profissional que vai te ajudar nesse processo tributário e te ajudar a escolher a melhor opção tributária.

No entanto, ressaltamos que no caso do comércio, é raro que se opte pelo lucro presumido. No geral, é mais vantajoso para o comércio optar pelo Simples Nacional.

Para orientá-lo e assessora-lo sobre as tributações é recomendável solicitar o apoio de uma contabilidade para comércio varejista. Assim, o seu empreendimento fica sob o controle de profissionais que entendem do assunto e também em dias com as obrigações fiscais.